Lead with the Body

In Brazilian Zouk, the leader’s body plays a great role in leading.

A lead that is done mostly with the body, as opposed to arms, is almost always far more comfortable and clear. Using the body to lead can also help the leader to dance himself, instead of just moving the follower around.

I do not lead with my arm.

He who leads with his arm has forgotten the face of his father.

I lead with my body.

– Part of the Leader’s Catechism, from Stephen King’s imaginary dance novel.

The body leads in at least three different ways: visually, through body contact, and as the source of a lead done with hand contact. Often, all of these play a role in leading the same movement.

Visual leading means the leader uses his own movement to indicate what the follower should do. This type of leading consists of intuitive

Continue reading Lead with the Body

A Love and Hate Affair

Head movements and cambrés; who doesn’t love them?

They’re one of the distinctive characteristics of Brazilian Zouk. Done well, they look very impressive and beautiful. They give us possibilities of expression, musicality and movement that other dances don’t have.

Well… I do love head movements and cambrés. I really do. But my feelings for them are conflicted; it’s one of those love and hate affairs. The problem is not with the movements themselves, but with the widespread abuse of them. By abuse, I mean people doing them badly. I mean people not

Continue reading A Love and Hate Affair

Does Beauty Matter in Social Dance?

Why does the beauty of an extraordinary sunset, for example, affect us so deeply?

Beauty inspires us, by reminding us that the extraordinary is possible.

Everyone is beautiful in their own way, it just depends how you’re beautiful to other people.

Is there an universal common sense to what is beautiful?

Beauty is uncommon enough that it puts us in awe.

It brings us face-to-face, with something commensurate with our capacity for wonder.

It affirms that while life is far from perfect, it offers many nearly-perfect things.

How does beauty work when it comes to Social Dance?

Defining BEAUTY in this post as the way one looks…

Continue reading Does Beauty Matter in Social Dance?

What is the worst thing a Follower can do while dancing with you in a Social Dance Party or Lesson?

It’s common to hear some Leaders complaining about certain Followers in Social Dance!

It has many reasons, and it varies a lot, also the situations change according to each community.
Many times, the Leaders don’t know how to act when they find themselves in situations which the follower is somehow compromising the dance, weather it’s because the follower isn’t really connecting to him, isn’t trying to feel the leading (when the leading is being precisely made, of course) or is anticipating the moves, predicting what the leader wants and ends up taking a wrong decision. Nobody want to sound rude or superior and sometimes, even a gentle feedback can be misunderstood, although sometimes it may be necessary, in order to keep the dance safe! Leaders can also get hurt!

Have you ever had any of these thoughts crossing your mind?

– My goodness! She’s basically doing everything by herself!

– She’s been over styling the whole dance, I can’t build a sequence of movements cos I have to improvise the unexpected everytime!

– I would love to dance with that girl but she seems to be only interested in dancing with the teachers or pros.

– Why does she put head movements in every single turn? I’m afraid of trying some moves and accidentally hurt her.

– I’d love to explore move closed embraced movements but if at least a deodorant had been…

– It would be nice if she held her own body, I’m making a lot of effort to move her.

– Why does she try to correct me all the time during the class? she is as new as I am and we have the teacher to correct us!

Well, here comes your chance to speak up and 

Continue reading What is the worst thing a Follower can do while dancing with you in a Social Dance Party or Lesson?

What is the worst thing a Leader can do while dancing with you in a Social Dance Party or Lesson?

#Question 2

The number os complains, among women as followers in Social Dance about certain Leaders, are a lot!

Most of the times, they don’t know how exactly would be a nice way to advise the Leaders about certain behaviors that are not really appreciated by the followers, without sounding rude or impolite, and also, in certain dance scenes where there is a lack of Leaders, the girls just simply don’t wanna take the risk of upsetting any of them, and as a result of being misunderstood, be avoided by them after that!

Have you ever had any of these thoughts crossing your mind?

– This is terrible but better not saying anything, I don’t wanna be the only annoying girl that complains, since all the others just smile when dancing with him!

– Am I the only person that can’t really understand him or everybody else is just fixing all his misleadings like I’m doing right now in order to be nice?

– Someday, someone should really tell him how uncomfortable he’s been doing those moves on us!

– I really do not enjoy dancing with this guy just because he dances for anybody else, but me! It’s kinda I’m being used by him so he can show off!

– Why he cannot have one single dance without trying to be chat me up or trying to kiss me?  

– It would be nice if I was invited for a dance, instead of being grabbed by the arm and dragged to the dance floor!

– It’s ok and expected to sweat but he could at least bring a spare shirt to change it sometimes before inviting us for a dance, it’s all wet!

– Why does he try to correct me all the time during the class? He is as new as I am and we have the teacher to correct us!!!

Well, here comes your chance to speak up and

Continue reading What is the worst thing a Leader can do while dancing with you in a Social Dance Party or Lesson?

What Does Define An Advanced Social Dancer?

#Question 1

There many explanations defining what an advanced social dancer is.
Some of them make sense, some others totally not!

– Is it the number of figures known?
– Is it how fast the movements can be executed?
– Is it how she can follow?
– Is it how he can lead?
– Is his/her musicality?
– Is it considered advanced One that has 1 year of experience in social dance parties?
– Is it considered advanced One that has taken 6 months or 1 year of regular 
classes?
– Is an experienced dancer the same as an advanced dancer?

In order to open a discussion and raise awareness about this subject, so all social dance communities can see what are

Continue reading What Does Define An Advanced Social Dancer?

Dance Etiquette – Tips For Social Dance

Those of us that have been in the social dance scene for a while know our basic social dance etiquette like we know the back of our hand.

For some though, dance etiquette doesn’t seem to come as easy, and those lacking these non verbal rules can come off as rude without even meaning to be.  These rules encompass almost all the social dances (Zouk, Salsa, Bachata, Kizomba, West Coast Swing, Cha Cha, etc).  Here’s a few simple rule and tips to help you understand the best way to approach the social dance floor.

1 – My personal number one rule, and pet peeve, is no critiquing on the dance floor!  We are all always learning, and it is very rude to critique, tell someone they are not doing something right, give funny faces, or try to correct them while social dancing.  Even when someone asks me personally to tell them if they do something wrong, I won’t do it because it’s distracting and I’m not in the business of breaking people’s spirits.

2 – Make sure your outfit is “social dancing” proof.  Are your earrings too heavy?  Do the buttons on your coat/shirt tangle in girl’s hair?  Is your skirt/dress too revealing when spinning?  Test it out before you head out to dance.

3 – Wash your hands!  Not just when you go to the restroom, but every once in awhile too.  Remember that in social dancing, you’re

Continue reading Dance Etiquette – Tips For Social Dance

THE LIFE STYLE OF A TRAVELING DANCE INSTRUCTOR

Adapted from the text of Jason Haynes – Source: http://latindancecommunity.com/lifestyle-of-a-traveling-dance-instructor/

WANTED

Individual to use their talents to serve and instruct the community at weekend dance events, and potentially improve the lives of those you encounter. Must be willing to travel to the four corners of the globe, meet lots of interesting people, and see incredible sights. Must not like routine and working in an office setting.

Oh…and you get paid to dance Brazilian Zouk, Salsa, Bachata, and/or Kizomba!

Sound good? Do you accept the position?

Well if you do then you’ve just signed up to be…(bongo beat)…a traveling latin dance instructor!

Aside from the incredibly exciting job description…what exactly does that entail?

Over the past few years I’ve spoken with and interviewed several instructors who literally spend every weekend on the road teaching dance in a location other than their home locale. Popular dancers with extensive travel schedules, among many others. As I became more involved in the “latin dance media” (so to speak), I began to wonder what their lives were really like. I discovered that although all instructors have different and unique experiences there do seem to be common lifestyle threads that create the pros and cons of…“The Lifestyle of A Traveling Dance Instructor”.

The Challenges:

long-distance-relationshipHard to maintain a relationship:  I’ve heard it numerous times, so I will start with the relationship aspect.  Being in a committed relationship or even starting one is hard for many traveling professionals, but particularly for dance instructors. First, your source of income is often dependent upon traveling to different events and usually in a different location every weekend.  Most (if not all) relationships need time to cultivate and develop a connection, and weekends for many couples are an opportunity to catch up on quality time.  Not for traveling dance instructors…that’s when it’s time to work. Weekend nights for them are spent at socials dancing, not going to movies or hanging out at home eating pizza and chillin’.  Promoters and organizers aren’t going to pay for significant others to travel (unless they’re the primary dance partner), so most weekends are spent away from their partners.

This leads to the second component…Temptation.

Let’s be honest. Our dance community is filled with lots of attractive and sexy

Continue reading THE LIFE STYLE OF A TRAVELING DANCE INSTRUCTOR

HOW TO KNOW WHEN IT’S TIME TO GIVE UP ON DANCING? – Tips For Social Dance

Millions of people at this exact moment,

while you’re reading this, are training like crazy to have a chance under the spot light! To work and succeed in the dance industry is tough. It’s one of the most competitive professions out there. We have to give a hand to anyone that decides this as their path.

The flip side is that this world brings some of the most incredible joys and feelings of ecstasy that a human being could ever dream of. But what about when the pain outweighs the joy? As a dancer, when is it time to give it all up? To stop going to auditions or competitions, to stop living pay cheque to pay cheque, to stop training, to stop believing in the dream?
The thoughts and feelings go back and forth. One moment you are on top of the world when called for the part and the next moment you are filled with bitterness and hopelessness, picking up those extra shifts at work wondering when you will ever get that big break. The wavering feelings persist and the doubt sets in.

These struggles are real and yet if dancers were able to reframe their thought process, the journey may not be so difficult. The truth is that being a dancer is not something one gives up. It is who you are. It is something that is so deep and within you that even if you tried to stop, it would be impossible. The human need you have to express through dance is a gift and cannot ever be taken away. You never have to give it up because it’s a part of you. It’s breathing. To give it up would mean not to breathe.

The industry tricks you into believing that it’s the only world that matters. That’s the place where stars are made and it’s the only way to ‘make it’.

Suddenly outside validation becomes more important than fulfilling the deeper need to move and express. Dancers feel doomed if they don’t book that music video or that world tour after just a few years of trying and give up faster than they started.

Yet if dancers were to know that the very act of dancing is a journey within itself, a new light will shine and other opportunities begin to expand. There are so many other areas where dancers can thrive, feel fulfilled and contribute their gifts – from the world of heath & wellness, community development, education, science, psychology, and motivational speaking … the list is endless. There are an increasing amount of areas where the skills and expertise of dancers are needed and can be utilized to innovate and bring forth new ideas, new inventions, and new ways of doing things. Basically, these are other ways of ‘making it’.

This all boils down to a shift of thinking. The sooner dancers can come to the realization that dancing is a deeper human need, the sooner permission can be given to move freely, to enjoy the process, to detach from the end result, and to discover parts of themselves they didn’t know existed.

In our own experience as Dancers, while living in Brazil, we had to train really hard, everyday, focused on the goal, specially due to the fact that out there we had so many other talented dancers seeking for the same thing!
We had to make ourselves visible, and nothing better for that than having more and more quality in your dance! After a certain point, it will high light and draw the attention you need!

Living out of our home land for a few years already, we’ve been through several situations in which the feeling was nothing else but “let’s leave it and go back home”! We felt sad, lonely, weak but, the desire, the passion, the dance breathing coming from the deep within, put us back up and made us go through the walls that raised in front of us! Our dream was stronger and we did want to live our dream!

We’ll all face the walls, many times starting in our families, when many don’t believe you will make it happen! That you should get a real job! As if a dancer’s life was easy, just fun, but, Dancer is what you really are and your dream is the powerful fuel you have and it will take you there! How much do you believe in your dream? How strong is your faith?

“Giving up” then is no longer an option and what’s left is the essence of an unstoppable, moving and magnificent spirit.

Author: Janet L. Castillo

A SAÚDE DE UM BAILARINO / DANÇARINO – Tips For Social Dance

Um bailarino precisa saber como lidar com seu instrumento de trabalho, o corpo.

Se não souber, pode enfrentar sérias complicações.

* Para evitar aquelas dores chatas nos músculos depois da aula, sempre se aqueça o máximo possível antes desta.  Mas atenção!  Não pense em alongar-se bastante, demais!  Nunca extrapole seus limites, pois a aula ou treino ainda vai começar, ou seja, você tem muito o que se alongar ainda… Senão, isso poderá resultar em muita dor de cabeça (e de músculos) depois.

* Após as aulas/treinos, se você sentir dores na parte em que se alongou bastante, como coxa, virilha, panturrilha, compressas de gelo vão bem.

* Se você for tomar banho após a aula/treino, procure tomar banhos quentes, pois seu corpo ainda está morno pelo exercício, e banhos frios podem resultar em choques térmicos.

* Após exercícios de alongamento, relaxe os músculos, massageando-os ou chutando as pernas para a frente.  Assim o músculo não fica muito “tenso”, e nem fica aquela “coisa dura” quando você anda.

* Em casa, se você ainda sente dor em alguma parte de seu corpo, passe pomadas que aliviam a dor, como CATAFLAN EMUGEL®, CALMINEX®, GELOL® ou VOLTAREM® . Elas promovem resultados rápidos.

* Atenção! Se nenhum desses itens ajudar para melhorar alguma dor que você esteja sentindo, procure um médico imediatamente. Pode ser um problema sério, como bursite, distensão, contratura etc.

Cãibra

CaibraA cãibra é uma retração involuntária e dolorosa do tecido muscular, que pode comprometer desde uma pequena parte de um músculo até um grupo muscular inteiro.  Pode durar alguns segundos ou minutos.
Causas: a causa mais comum da cãibra nos bailarinos é a fadiga muscular, mas também pode ter outras origens como o frio e a falta de potássio no organismo, que também é apontada como agente importante.
Tratamento: O alongamento do músculo ou músculos comprometidos.
Fontes de Potássio: água de coco, fígado, laranja, banana, feijão, carne.

Distensão muscular

distensão_muscularÉ a ruptura espontânea de várias fibras musculares causada por esforço, com dor súbita e forte durante o movimento e que, às vezes, impossibilita que o músculo afetado se movimente. A dor desaparece com o repouso, mas reaparece com o movimento. Às vezes, pode caracterizar-se pela presença de manchas vermelhas ou escuras sobre o local comprometido, devido ao sangue liberado pelos vasos sangüíneos na ruptura muscular.
Causas: passos ou exercícios de difícil execução, bruscos ou pesados, feitos sem o devido aquecimento prévio, são a principal causa da distensão. Os músculos mais freqüentemente afetados são os internos da coxa e os da panturrilha.
Tratamento: primeiramente, parar com a atividade física imediatamente. Depois, procurar um médico ou fisioterapeuta.  Você pode até aplicar gelo ao redor ou sobre a parte afetada durante 20 ou 30 minutos, fazendo uma leve compressão e com intervalos de pelos menos uma hora (isso enquanto houver aumento de volume no local, o que acontece nas primeiras 48 a 72 horas).      Após o terceiro dia, deve-se aplicar calor úmido em torno ou sobre a parte lesada. Isso estimulará a circulação, o que eliminará os produtos nocivos do metabolismo celular, acelerando o processo de cicatrização. Após o terceiro dia, também pode ser usado o contraste calor-frio, ou seja, 5 minutos de calor para 4 minutos de gelo.  Esse tempo vai sendo reduzido gradativamente até um minuto de calor.  Após o desaparecimento da dor aguda, o retorno do bailarino à atividade deve ser feito com aplicação de calor local durante 10 a 15 minutos antes da aula e aplicação de compressas de gelo também durante 10 a 15 minutos depois da aula. Isso evitará que o edema se instale. Exercícios de alongamento e fortalecimento muscular devem ser feitos a fim de que a musculatura atrofiada pelo desuso seja novamente preparada para o retorno às atividades normais. Se durante a atividade o local lesado se mostrar mais doloroso do que antes de iniciá-la, pare, aplique gelo e procure o seu médico ou fisioterapeuta.

Entorse

entorseOcorre quando o limite fisiológico de uma articulação é ultrapassado. Pode estar acompanhado de distensão, ruptura total ou parcial dos ligamentos, ou casos mais graves do arrancamento da inserção do ligamento.
Causas: Como a maioria dos entorses na dança acontece nos joelhos e tornozelos, quase sempre as causas são o piso inadequado que prende os pés enquanto o corpo continua no movimento ou a torção dos tornozelos em exercícios na ponta ou na meia ponta.
Tratamento: Aplicar gelo sobre a articulação afetada durante 20 a 30 minutos, elevar o ponto
comprometido (se possível, acima do nível do peito) e encaminhar imediatamente ao médico.

Tendinite

tendiniteUm pequeno esclarecimento: as mãos, os pés, o pescoço e todas as partes que se dobram, ou seja, praticamente o corpo inteiro está repleto de tendões. Mas, afinal, o que é a tendinite? As palavras terminadas com o sufixo ‘ite’ indicam um processo inflamatório. Tendinite é, assim, a inflamação que acontece nos tendões.
Essa inflamação pode ter duas causas.
A primeira são esforços prolongados e repetitivos, além de sobrecarga. Essa primeira causa é bem freqüente nas tendinites do ballet… A segunda causa é a desidratação: quando os músculos e tendões não estão suficientemente drenados devido à uma alimentação incorreta e toxinas no organismo, pode ocorrer uma tendinite. A tendinite se manifesta inicialmente com dores e muitas vezes com a incapacidade da pessoa em realizar certos movimentos. A pessoa pode sentir dores ao subir ou descer escadas, caminhar, dobrar os joelhos, entre outras posturas ou movimentos. Inicialmente, a tendinite pode ser confundida com artrite reumatóide. Portanto, há a necessidade de um bom médico para diagnosticar corretamente o problema. Dependendo da natureza e do grau de severidade da lesão, as formas de tratamento vão desde a indicação de antiinflamatórios até a imobilização do membro afetado (por exemplo, tala ou engessamento).
Em primeiro lugar, porém, é preciso repouso. Após um certo período, a pessoa é aconselhada a fazer fisioterapia, para acelerar o processo de cura. Uma das técnicas indicadas para a tendinite é a crioterapia, aplicação de bandagens a temperaturas muito baixas ou bolsas de gelo. Massagens também são indicadas como auxiliares no tratamento. A aplicação local de corticóides é apenas indicada dos casos mais graves.
No caso de tendinite de origem química, os médicos indicam uma dieta alimentar especial, para prevenir a desidratação que pode resultar na pouca ou nenhuma lubrificação dos tendões e conseqüente no agravamento da doença. Essa dieta exige a retirada de alimentos ácidos e graxos, incluindo-se a manteiga e o chocolate e as frutas ácidas. Se a tendinite não for tratada em tempo ou da maneira adequada, ou mesmo se a fisioterapia não for feita durante o período necessário, pode haver seqüelas. A pessoa não tratada pode sofrer uma ruptura do tendão após um período de inflamação mal cuidado. Pode continuar com as dores e se tornar incapaz para o trabalho.
Por isso, é importante seguir todos os passos indicados pelo médico para um pronto restabelecimento.
Para prevenir a tendinite, não se deve expor-se a grandes períodos ininterruptos de exercício.
Uma parada, uma pausa por alguns minutos pode significar um ganho em termos de continuidade em médio e longo prazo. Outra coisa para prevenir a tendinite é ter uma alimentação balanceada, evitando a tendinite química.
Por último, vale lembrar que os casos mal curados podem acabar necessitando de cirurgia.
Vale a pena, portanto, se preocupar com a prevenção, onde os gastos e o desgaste emocional são muito menores.

Estiramento muscular

Estiramento muscularÉ o alongamento voluntário ou involuntário de um músculo além do seu limite natural. É caracterizado por dor muscular no local do estiramento no momento em que há o esforço, e desaparece quando se volta ao repouso.
A dor dura em média de 2 a 10 dias, dependendo do caso, e pode desaparecer até mesmo sem tratamento se o músculo afetado for poupado.
Causas: um movimento descuidado, ou para o qual o músculo afetado não esteja aquecido ou preparado para executar.
Tratamento: repouso da parte afetada e compressa de gelo.

Retração muscular

Retracao muscularÉ o encurtamento do tecido muscular, restringindo a mobilidade e flexibilidade normais desse músculo.
Causas: o uso da musculatura sem trabalho de alongamento da mesma após o término da atividade física.  Tratamento: exercícios de alongamento antes e após a aula ou treino.

Síndrome Patelo-femoral ou Condromalácia

Condromalácia-patelarÉ uma condição degenerativa que resulta no amolecimento da superfície articular da rótula. De causa desconhecida, aparece principalmente nas mulheres jovens e suas conseqüências podem perdurar até a vida adulta.
Caracteriza-se principalmente por dor nas flexões demoradas e nas extensões, quando a estrutura articular amolecida pode se precipitar dentro da articulação, gerando ruídos durante o movimento, limitando a articulação do joelho e provocando o aparecimento de sinais gerais de inflamação. Qualquer aluno ou profissional de dança que apresente tais sintomas deve ser encaminhado ao ortopedista, pois a síndrome patelo-femoral ou condromalácia pode evoluir para a sub-luxação patelar e até para a artrose, e ser responsável pelo afastamento definitivo da vida profissional se não for adequadamente tratado.

Unhas encravadas: o que fazer?

unha-encravadaTem muita gente que sempre ouve falar de unhas encravadas, mas nem sabem o que são. E muita gente que pode até sofrer com elas e mesmo assim não sabe o que é. A unha está encravada quando parte dela empurra o canto do dedo do pé. Este dedo torna-se sensível ao tato, vermelho e inchado. Coloque o pé de molho durante 20 minutos duas vezes ao dia em água morna com um pouco de sabão bactericida. Enquanto o pé estiver de molho faça uma massagem sobre a parte inflamada da cutícula. Outro cuidado a ser tomado: use uma pomada antibiótica, aplicando-a cinco ou seis vezes ao dia. Corte o canto da unha. A dor é causada pela fricção da unha contra a cutícula exposta.
Você pode ir em um médico pedólogo que se encarregará de cortar este canto. Será preciso fazer isso apenas uma vez para facilitar o crescimento da unha sobre a cutícula, ao invés de crescer enterrada nela.
Tente não usar sapatos fechados, calçando sandálias ou mesmo ficando descalço o máximo possível para evitar a pressão sobre a unha. Quando não tiver jeito, proteja a unha encravada da seguinte maneira:
– Se o lado interno estiver machucado, coloque uma esponjinha (ou gaze, ou algodão)
presa com fita adesiva entre os dedos a fim de evitar que fiquem se tocando.
– Se o lado machucado for o externo (isso só acontece no caso da unha encravada ser a do dedão ou a do mindinho), coloque uma esponjinha (ou gaze, ou algodão) com fita adesiva na parte externa do dedão para evitar que a unha fique tocando a parede do sapato.
Essas medidas também podem ser tomadas durante a aula de ballet. Para prevenir essas indesejáveis, corte MUITO BEM as unhas, deixando-as retas e evitando os cantos.Procure ajuda médica imediatamente se observar estrias avermelhadas que se estendem além do dedo, se o pus ou a secreção amarelada não sair em 48 horas de tratamento, se a cutícula não sarar completamente após 2 semanas ou se tiver outras perguntas e preocupações.

Bolhas 

bolhas-nos-pésAs bolhas ocorrem quando a pele é friccionada para frente e para trás de encontro ao interior da sapatilha.  A maioria das bolhas causadas pelo trabalho de ponta estoura e há às vezes sangramento. Uma vez que a pele crua é exposta, a dor de dançar com uma bolha aberta é enorme. É melhor parar de dançar e tender à bolha do que arriscar-se à piora e à infecção da área. Se algum pedaço de pele morta remanescer na bolha aberta, corte-o fora com tesoura esterilizada. Cubra a bolha com Merthiolate ou água oxigenada. Exponha a bolha ao ar fresco sempre que possível. Se você tiver que dançar em sapatilhas de ponta outra vez antes de que a bolha esteja curada, faça o seguinte: corte um pedaço de uma borrachinha ou um plástico (para isolar a área ao redor da bolha) e faça um furo no meio deste – um pouco maior do que o tamanho da bolha. Coloque-o em torno da bolha e fixe com fita adesiva ou esparadrapo. Se necessário, use duas camadas da borrachinha. Dá também para usar gaze.
Se um dedo do pé começar a criar bolhas insistentemente, é aconselhável envolvê-lo com band-aid ou esparadrapo antes de cada aula. Isto deve impedir que uma nova bolha se forme.

Calos e endurecimento da pele

caloSabe quando a pele fica um pouquinho dura e mais consistente? Isso ocorre geralmente nas juntas dos dedos do pé e no tendão de Aquiles, onde o pé é mais intensamente friccionado pela sapatilha. A pele nestas áreas pode avermelhar e amaciar imediatamente depois do trabalho de pontas, mas endurecer-se-á mais tarde. Não se preocupe com esse endurecimento: ele é até mesmo benéfico para prevenir a formação de novas bolhas.  Já os calos são o resultado da pressão anormal das sapatilhas mal ajustadas e podem ser muito dolorosos.
Os calos duros, no alto dos dedos do pé, podem responder às medicações comerciais ou podem necessitar dos cuidados de um médico. Os calos macios, que se formam entre os dedos do pé, podem ser tratados somente pela separação dos dedos com algodão ou gaze.

Joanete

Bunion in foot, eps10Joanete é a inflamação da articulação do dedão do pé causada pela pressão imprópria nessa área.
Deve-se tomar cuidado em ver se as sapatilhas de ponta (e até os sapatos normais) são largas o bastante na parte da caixa, onde estão as junções do metatarso, e se o pé está colocado corretamente na ponta (os dedos do pé devem formar uma perpendicular com o assoalho). Para ajudar a aliviar a dor, um espaçador de dedos pode ser colocado entre o dedão e o “indicador”. Isto posiciona corretamente o dedão e impede-o que seja esmagado pelos outros dedos em um ângulo. Um espaçador de dedos pode ser feito de uma tira de uma polegada (2,5 cm) de papel toalha. Ela deve ser dobrada em um retângulo pequeno e prendida entre os dedos do pé com fita adesiva ou esparadrapo.

 

Fonte: Ballet Essencial, Flávio Sampaio (http://boasaude.terra.com.br)